Dr. Luciano Rotella

Clicar nas perguntas para obter as respostas.

Ouvido

O que faz esse exame da audição?

Audiometria é uma representação gráfica dos limiares de respostas auditivas, que são obtidos testando-se a audição do paciente com estímulos de tom puro. Os parâmetros da audiometria são a frequência, medida em ciclos por segundo (Hz), e a intensidade, medida em decibéis (dB), A audiometria típica é determinada estabelecendo-se os limiares auditivos para sons de frequência única em 250, 500, 1000, 2000, 4000 e 8000 Hz.

Print Friendly

Normalmente quais as frequências que ovimos?

O ouvido humano relatadamente pode detectar sons na faixa de frequência de 20-20000Hz. Porém, o adulto típico somente pode detectar frequências entre 200-10000Hz. O espectro de frequêcias da fala varia de 400-3000Hz.

Print Friendly

Qual é a causa mais comum de perda auditiva condutiva?

A impactação de cerume provavelmente é a causa mais prevalente de disacusia condutiva. Excluindo o cerume, a causa mais comum entre as idades de 15 e 50 anos é a otosclerose. Aproximadamente 1% da população é afetada pela otosclerose.

Print Friendly

Quanto da perda auditiva pode ser devido à impactação de cerume?

O cerume impactado que oclui completamente o canal pode levar a uma perda de 34-40dB.

Print Friendly

O que é Otosclerose?

A otosclerose é uma anormalidade do metabolismo e mobilização ósseos, afetando a cápsula ótica dos ossículos. A rigidez e fixação da platina do estribo ocorrem secundárias à esclerose densa, e causam disacusia condutiva. A estapedectomia tem uma taxa de sucesso de 90-95% em melhorar a audição.

Print Friendly

Defina perda auditiva pelo envelhecimento

Presbiacusia é uma DN lentamente progressiva, simétrica, que se apresenta em pessoas acima de 60 anos. Mais de um terço das pessoas acima de 75 anos são afetadas pela presbiacusia. Embora estudos tenham tentado ligar o ruído, ototoxicidade, dieta, metabolismo, arteriosclerose e fatores hereditários a este distúrbio, a causa permanece incerta. A perda é usualmente maior em frequências >2000Hz, e tende a ser acompanhada por uma redução significativa na discriminação da fala. Frequentemente, os paciente podeme ouvir a conversação, mas são incapazes de interpretar as palavras, independente da altura em que a fala é apresentada. Próteses auditivas podem ser úteis.

Print Friendly

Quais as drogas que podem causar perda auditiva?

Salicilatos, aminoglicosídios (gentamicina, tobramicina, amicacina), eritromicina e diuréticos de alça ( furosemida, ácido etacrínico, bumetanida) são drogas comumente usadas associadas à disacusia. A perda é tipicamente bilateral e pode ser permanente.

Print Friendly

Cite os principais componentes da prótese auditiva. Como funcionam estes componentes?

A prótese auditiva tradicional consiste em cinco componentes principais: um microfone, um amplificador, um receptor, um controle de volume e uma bateria como fonte de energia. A função da prótese auditiva é amplificar os sinais estapedianos, o que ela obtém através de três estágios básicos que correspondem aos principais componentes da prótese auditiva. No primeiro estágio, o diafragma do microfone converte a energia elétrica. O segundo estágio envolve o amplificador, o qual reforça o sinal elétrico. No estágio final, o receptor transforma novamente o sinal elétrico amplificado em um sinal estapediano, o qual é então transmitido ao ouvido.

Print Friendly

Quando um paciente tem perda auditiva necessita de uma prótese auditiva?

Pacientes com disacusia que manifestam dificuldades de comunicação, objetivamente ou subjetivamente, podem se beneficiar da amplificação da audição. Devido à tecnologia atual, os fonoaudiólogos são capazes de adequar a prótese a quase todos os pacientes com tipos e graus variáveis de disacusia.

Print Friendly

O que é otite externa?

Otite externa é uma condição inflamatória comum envolvendo a pele do canal auditivo externo. Uma história prévia de trauma do canal auditivo ou exposição à água é comum, daí o termo “ouvido de nadador”. Os sintomas incluem otalgia, prurido e otorréia fétida. O canal auditivo pode parecer levemente eritematoso. Se a infecção é severa, o edema pode obstruir completamente o canal. O ouvido e seu canal podem estar muito sensíveis. Pseudomonas aeruginosa e Staphylococcus aureus são os patógenos primários. O tratamento inicia com debridamento local e a administração de gotas de antibióticos e esteróides. Em casos de edema severo do canal, um cotonete impregnado de antiinflamatório deve ser colocado cuidadosamente no canal e deixado ali por 2-7 dias.

Print Friendly

Como a infecção fúngica dos ouvidos é reconhecida e tratada?

A otomicose refere-se a uma infecção fúngica ou candidíase do canal auditivo externo. Os sintomas são similares àqueles da otite externa; porém, o prurido é um sintoma mais comum que a otalgia. No exame do canal auditivo, a doença pode ser reconhecida facilmente pela visualização dos micélios fúngicos. A umidade, alta temperatura, má higiene e imunossupressão parecem contribuir ao desenvolvimento desta condição. Os organismos causais usualmente são Aspergillus albicans, A. Niger e Candida albicans. O tratamento inicia com o debridamento do canal auditivo. Um fungicida tópico, como a nistatina em pó, cresilato, pó de ácido bórico a 4% ou violeta de genciana a 1% deve ser aplicado. A aplicação de gotas de corticóides ou de outros antimicrobianos pode exacerbar a otomicose.

Print Friendly

Quais são as causas de perfuração traumática da membrana timpânica?

As perfurações podem ser causadas por corpos estranhos, como grampos de cabelo ou cotonetes. O trauma ao ouvido pode causar compressão de ar suficiente no meato externo para romper o tímpano. Uma arma de fogo também pode causar suficiente deslocamento de ar, levando à ruptura da membrana timpânica. A membrana, em geral, fecha espontaneamente, mas perfurações residuais podem ser reparadas com cirurgia.

Print Friendly

Quais são os sinais e sintomas da disfunção da tuba auditiva?

As três funções clássicas da trompa de Eustáquio são aeração, limpeza e proteção do ouvido médio. A característica da disfunção da trompa de Eustáquio é um derrame no ouvido médio. Porém, os sinais e sintomas variam de paciente para paciente. Os pacientes podem experimentar m ruído de “pop” intermitente no ouvido, na ausência de derrame no ouvido médio. Aqueles com derrames no ouvido médio podem relatar otalgia, sensação de plenitude no ouvido, disacusia ou vertigem. Os pacientes podem mesmo ser assintomáticas. Os sinais do derrame no ouvido médio incluem mobilidade limitada à otoscopia pneumática e perda das características normais.

Print Friendly

Quais os principais tipos de tontura?

Ao avaliar um paciente com tontura, é importante tentar definir o sítio da lesão. A tontura pode ser descrita como vestibular ou não-vestibular. Uma lesão vestibular pode estar localizada no sistema vestibular periférico ou central. Os processos não-vestibulares podem resultar de doença sistêmica ou ansiedade.

Print Friendly

Qual a causa tratável mais comum de vertigem?

A vertigem postural paroxística benigna (VPPB). Caracteristicamente, episódios súbitos de vertigem são precipitados por movimentos específicos da cabeça, frequentemente envolvendo a extensão e rotação do pescoço. Por exemplo, o paciente pode queixar-se de vertigem precipitada por virar-se na cama ou por olhar para cima. Estes episódios breves duram <1 minuto. Perda auditiva, plenitude aural e zumbido não são típicos. Embora a VPPB ocorra mais comumente no idoso, pode ocorrer em qualquer idade. Esta condição é usualmente autolimitada e cede espontaneamente em semanas a meses. As manobras terapêuticas podem resultar em resolução imediata dos sintomas.

Print Friendly

Como a “VPPB” é tratada?

A VPPB é causada pela presença de partículas pesadas em um dos canais semicirculantes, possivelmente otolitos que se deslocaram do utrículo. O movimento destas partículas com a gravidade causa estímulo do canal. Uma vez que o canal somente percebe a rotação, a gravidade é confundida com um movimento giratório. Embora este distúrbio usualmente desapareça sem tratamento em poucas semanas, o curso frequentemente pode ser dramaticamente encurtado utilizando manobras terapêuticas da cabeça, designadas para rotar as partículas para fora do canal afetado. A manobra de Epley, também denominada procedimento de reposicionamento dos canalitos, tem-se mostrado muito útil, com uma taxa de sucesso próxima de 90%. Os programas de reabilitação vestibular, nos quais os pacientes desencadeiam repetidamente ataques de vertigem, também se mostraram efetivos. Se nenhum destes procedimentos auxiliar, a ablação cirúrgica do ouvido ou bloqueio do canal afetado irá cessar as crises.

Print Friendly

O que é zumbido?

Zumbido (tinido) vem da palavra latina tinnire, que significa “fazer som de campainha” é descrito como uma sensação sonora que se origina na cabeça e não é atribuída a qualquer som externo perceptível.

Print Friendly

Os corpos estranhos no canal auditivo externo podem causar zumbido?

Sim. Cerume, cabelos ou corpos estranhos em contato com a membrana timpânica têm sido associados ao zumbido. Uma grande proximidade do côndilo mandibular ao canal auditivo externo também deve ser excluída por uma história cuidadosa e exame dirigido.

Print Friendly

Qual a associação do zumbido com a perda auditiva?

Oitenta e cinco por cento dos pacientes com zumbido têm perda auditiva audiometricamente documentada na faixa de 250-8.000Hz. Porém, a presença de zumbido não implica absolutamente em perda auditiva.

Print Friendly

Além do Barotrauma ao ouvido médio o que pode causar dor de ouvido durante o vôo ou mergulho?

O barotrauma ao ouvido externo ou “compressão do canal” frequentemente ocorre em mergulhadores com cerume impactado. O ar abaixo da oclusão permanece com a mesma pressão da superfície, enquanto a pressão circundante e a pressão no ouvido médio aumentam, à medida que o mergulhador desce. Ocorre um vácuo relativo, resultando no desenvolvimento de dor de ouvido e congestão da pele do canal e membrana timpânica.

Print Friendly

É mais comum ter dor de ouvido durante a subida ou durante a descida no vôo?

Durante a subida, a pressão relativa no ouvido médio aumenta, fazendo a membrana timpânica protruir-se pra fora. O ar escapa passivamente através da trompa de Eustáquio de o diferencial de pressão é 15mmHg ou mais. Durante a descida, a pressão relativa no ouvido médio diminui, fazendo a membrana timpânica protruir-se para dentro. A ventilação passiva através da trompa de Eustáquio é mais difícil, e os passageiros usualmente devem tomar medidas ativas para equalizar a pressão, como a manobra de Valsalva. A maioria das pessoas tem mais problemas na descida que na subida.

Print Friendly

O que é um ouvido “proeminente” (“orelha de abano”)?

O ouvido normal tem um ângulo entre o pavilhão auditivo e a cabeça de 25-30°. O bordo helicoidal estende-se a <20mm da mastóide, e uma cruz anti-helicoidal bem definida está presente. O ouvido proeminente ou protruso tem anormalidade em uma ou mais destas medidas. Tipicamente, o ouvido protruso tem um ângulo auriculocefálico próximo de 90°, um bordo helicoidal a >20mm da mastóide e uma fossa escafóide deficitára em pregas ou cruzes anti-helicoidais.

Print Friendly

Quando o ouvido proeminente deve ser corrigido?

O melhor momento para corrigir os ouvidos proeminentes é entre os 4-6 anos. Nesta idade, o crescimento do ouvido está essencialmente completo e a correção é completada antes da idade escolar, quando as ciranças tornam-se sujeitas à ridicularização por seus colegas. Pelas mesmas razões, 6 anos também é a idade mais apropriada para a reconstrução da microtia.

Print Friendly
Print Friendly